Sindicato Rural participa de manifestação em SP que pede revogação da lei sobre aumento de ICMS

O presidente do Sindicato Rural de Pindamonhangaba, João Bosco Andrade Pereira participa hoje (17) da manifestação que pede a revogação da lei que permite aumento de ICMS, o presidente foi acompanhado do produtor rural e diretor do Sindicato Rural, Cláudio Salgado de Macedo.

Participam do movimento produtores rurais de todo o estado de São Paulo e apesar de o governador João Doria já ter revogado parte dos aumentos, a lei que dá poder ao governo estadual para mexer nos impostos a qualquer momento continua valendo, o que mantém o setor em alerta.

Os produtores rurais se reuniram na parte da manhã na CEAGESP e depois seguiram para a Assembleia Legislativa, onde será protocolado o pedido para que seja cancelada a lei. Os produtores levaram alguns tratores para o local.

Para João Bosco Andrade Pereira, nada poderia ser mais inapropriado e injusto do que as medidas de aumento de impostos pretendida pelo governo. “Injusta porque no começo da pandemia, quando todos pararam suas atividades, os produtores rurais continuaram trabalhando e garantindo o abastecimento de alimentos. Inapropriado porque no momento que a população já passa por grandes sacrifícios, perda de renda, desemprego em alta, custo da alimentação mais alto, pretenda-se sobrecarregar ainda mais o consumidor com alta dos preços, uma vez que, todo imposto a mais acaba refletindo no preço final dos produtos”, ressaltou.

A Faesp – Federação da Agricultura do Estado de São Paulo, reconhece e apoia a movimentação. “Cabe acrescentar que a federação continuará atuando intensamente na interlocução com os poderes Executivo e Legislativo, visando reverter medidas que prejudiquem a produção agrícola e, por conseguinte, toda a sociedade, ao encarecem o acesso aos alimentos pela população. É o caso do artigo 22 da Lei 17.293 de 2020, que autoriza o governo paulista a renovar ou reduzir benefícios fiscais por decreto”, destaca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *